quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Moradores de Dormentes continuam usando as redes sociais para expor indignação com a chegada das faturas da COMPESA

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Os péssimos serviços prestados pela Companhia Pernambucana de Saneamento – COMPESA, viraram um “mal sem cura” na vida dos Dormentenses. Como se não bastasse amargar mais de trinta dias sem água nas torneiras, a população está recebendo as faturas do mês de dezembro como se o abastecimento de água tivesse ocorrido normalmente durante o mês.

Indignados com a falta de respeito, alguns moradores estão postando nas mídias sociais, fotos das faturas e textos repudiando a atitude da companhia, como também, exigindo seus direitos.

Arthur Felipe que reside na Rua José Ferreira Batista, Centro de Dormentes, está revoltado com o que chama de “empresa que não tem o mínimo de respeito com seus consumidores”. Ele postou a foto da fatura e um texto na sua página do Facebook, destacando o Art. 22 do Código de Defesa do Consumidor, que diz: Os órgãos públicos, por si ou suas empresas, concessionárias, permissionárias ou sob qualquer outra forma de empreendimento, são obrigados a fornecer serviços adequados, eficientes, seguros e, quanto aos essenciais, contínuos. Parágrafo único. Nos casos de descumprimento, total ou parcial, das obrigações referidas neste artigo, serão as pessoas jurídicas compelidas a cumpri-las e a reparar os danos causados, na forma prevista neste código.

E questiona: ”As maquinetas que emitem as faturas não quebram?”

Veja o que ele escreveu:

"Venho por meio deste demonstrar minha indignação e desprezo por essa empresa que não tem um mínimo de respeito pelos os seus consumidores, como pode uma tarifa de água ser emitida se o serviço não foi prestado? O mínimo que deveria ter era o valor 0,00 e uma mensagem de desculpas, vale salientar que o artigo 22 do CDC diz que: "Art. 22. Os órgãos públicos, por si ou suas empresas, concessionárias, permissionárias ou sob qualquer outra forma de empreendimento, são obrigados a fornecer serviços adequados, eficientes, seguros e, quanto aos essenciais, contínuos.
Parágrafo único. Nos casos de descumprimento, total ou parcial, das obrigações referidas neste artigo, serão as pessoas jurídicas compelidas a cumpri-las e a reparar os danos causados, na forma prevista neste código. " Temos a taxa de Água das mais abusivas, é repugnante soletrar o nome dessa empresa que não fornece um serviço moral e digno, o código do Consumidor é bem claro: "Serviços adequados e eficientes" "Essenciais" a água é um bem essencial a vida, essa empresa chamada COMPESA não respeita e não considera os seus consumidores, não tem calendário de abastecimento nas cidades de Afrânio e Dormentes, não tem um canal direto com os consumidores para dar satisfação das constantes falhas, término aqui os seguintes questionamentos: Nunca as maquinetas que emitem as contas quebram? É correto cobrar pelos serviços que não foram oferecidos? Por quê não divulgam os valores arrecadados para se fazer uma reflexão sobre investimentos que não são feitos, tendo em vista que se ver comentários que a empresa passa por dificuldades? Por quê não fazer contratos com proprietários de carro pipa para fazer os abastecimentos e cumprir com os deveres? Deixo aqui meu repúdio a essa empresa que não respeita seus consumidores, que arrecadar vem em primeiro lugar em sua missão
!"

0 comentários:

Postar um comentário